1.6 C
Nova Iorque

Copa do Mundo de 1958: o primeiro título da seleção brasileira

Copa do Mundo de 1958: Em clima de Copa do Mundo, sempre é bom relembrar os títulos da nossa seleção, não é verdade? E quanto ao show de 1958, que ficou marcado como a primeira vez em que o Brasil ergueu a taça da competição? Para 2022, os comandados de Tite chegam como favoritos, então se você está empolgado para apostar na Copa do Mundo, é importante relembrar a história de uma campanha sensacional da seleção brasileira que pode levantar o caneco pela sexta vez no campeonato disputado no Qatar.

É claro que estamos empolgados para viajarmos para o início de uma história recheada de conquistas do Brasil, mas antes a gente quer te lembrar que a Copa do Mundo de 2022 está logo aí. A competição está marcada para começar no dia 20 de novembro, às 13h, com o duelo entre Qatar, país sede, e Equador, e caso pretenda investir uma graninha na disputa, aqui na KTO sempre oferecemos muitas dicas de apostas esportivas, então não deixe de conferir!

Copa do Mundo de 1958: O gigante se prepara para sair da jaula pela primeira vez

A Copa do Mundo, que começou a ser disputada em 1930 e teve o Uruguai como a primeira seleção campeã, até 1958, só tinha um vencedor da América do Sul, justamente os uruguaios, duas vezes, uma em 1930 e a outra em 1950, mas isso estava prestes a mudar.

Em 1950, a seleção brasileira estava pronta para levantar a taça e a festa seria mais bonita ainda, já que a competição foi realizada no Brasil. Mas os uruguaios acabaram roubando a alegria dos brasileiros ao levantar a taça da competição.

Em 1954 acabou sendo eliminada na fase das quartas de final para a poderosa Hungria de Puskás, Lantos, Kocsis e outros grandes craques. Em 1958 o Brasil estava de volta ainda na busca pelo primeiro título da Copa do Mundo.

A Copa do Mundo de 1958

A edição da Copa de 1958, realizada na Suécia, assim como nos dias atuais, antes da bola rolar, contava com algumas favoritas. A Alemanha, que tinha levantado a taça em 1954, era um nome forte, já que tinha quase o mesmo time da última edição, só que um pouco mais envelhecido. A Hungria, que eliminou o Brasil em 1954, já não era mais tão favorita, pois tinha perdido nomes importantes por conta da Revolução Húngara de 1956. A União Soviética, que tinha conquistado as Olimpíadas de 1956, chegava como forte candidata a levantar o caneco.

Para a competição, 16 seleções disputaram a Copa do Mundo de 1958. Foram quatros equipes do Oeste Europeu, quatro do Leste Europeu, quatro Nações Britânicas e quatro da América do Sul.

No Grupo 1, formado por Irlanda do Norte, Alemanha Ocidental, Tchecoslováquia e Argentina, quem avançou foram os irlandeses, com a primeira posição, e os alemães, com a segunda posição.

No Grupo 2, a França avançou em primeiro e a Iugoslávia em segundo, deixando pelo caminho Paraguai e Escócia. No Grupo 3, quem avançou foi a Suécia, país sede, e País de Gales. Ficaram pelo caminho Hungria e México.

Por fim, no Grupo 4, o Brasil avançou em primeiro, após empatar com a Inglaterra e vencer a Áustria e a União Soviética. Na segunda posição, os  soviéticos avançaram, sendo assim, ingleses e austríacos ficaram pelo caminho.

O Brasil começa a se agigantar

Após avançar em primeiro do Grupo 4, o Brasil enfrentaria o País de Gales, não era um adversário duro, mas foi nesta fase de quartas de final que a seleção verde e amarela tinha caído em 1954 e repetir a eliminação dolorosa seria um pesadelo.

A partida foi muito disputada, sem aberturas para os dois lados. Foi quando um dos grandes nomes, que viria a ser considerado o Rei do Futebol, com apenas 17 anos, deu as caras. Aos 21 do segundo tempo, Pelé recebe um passe de cabeça de Didi, domina no peito, tira da marcação e arremata para o fundo das redes. Vitória magra mas classificação garantida.

Nos outros duelos das quartas, a França superou a Irlanda do Norte por 4 a 0, a Suécia bateu a União Soviética por 2 a 0 e a Alemanha Ocidental eliminou a Iugoslávia após vitória por 1 a 0.

Copa do Mundo de 1958: Hora de encarar os franceses

A França, adversária do Brasil na semifinal, vinha bem na competição e tinha no elenco um dos grandes nomes do futebol, Just Fontaine, jogador que foi o artilheiro da edição de 1954, com 13 gols. 

Para o Brasil, após o apito inicial, não parecia que enfrentava uma seleção forte, já que Vavá, logo aos dois minutos do primeiro tempo, abriu o placar. Os franceses não deixaram barato e buscaram o empate logo em seguida, com Just Fontaine. 

Aos 39 minutos, um pouco antes dos times descerem para os vestiários, Didi acertou uma bela finalização e colocou o Brasil na frente do placar novamente.

A estrela de 17 anos não poderia passar em branco e decidiu definir a partida. Na segunda etapa, aos 7 minutos, aos 19 e aos 30 anotou três gols e deixou o Brasil com 5 gols contra apenas um da França, que antes do apito final descontou com Roger Piantoni. Placar final 5 a 2 para o Brasil e a seleção disputaria a segunda final de uma Copa do Mundo.

Do outro lado, vitória da Suécia por 3 a 1 contra a Alemanha Ocidental. A final da competição estava definida. A seleção brasileira enfrentaria os donos da casa. 

A amarelinha vestiu azul para a final

A seleção brasileira estava pronta. Para o duelo foram para o campo: Gilmar; Djalma Santos, Bellini, Orlando e Nílton Santos; Zito e Didi; Garrincha, Pelé, Vavá e Zagallo.

O duelo foi disputado no Estádio Råsunda e contou com um público de 49.737 torcedores, sendo a maior parte suecos, que torciam pela seleção europeia. 

E o jogo não poderia começar melhor para os donos da casa. Nils Liedholm tratou de abrir o placar logo aos quatro minutos da primeira etapa. Festa dos suecos e tensão para os torcedores do Brasil. A seleção brasileira tinha a resposta para o gol rápido dos suecos e Vavá, ao receber de Garrincha, empurrou para dentro, aos nove minutos empatado o duelo.

Déjà vu? Aos 32 minutos da primeira etapa a virada do Brasil veio com um gol de Vavá e assistência de Garrincha, uma dupla muito entrosada. Com a seleção brasileira na frente, o árbitro Maurice Guigue encerrou o primeiro tempo.

A situação da equipe da América do Sul parecia boa, mas iria melhorar. No segundo tempo, aos 10 minutos, a estrela voltava a dar o ar da graça para brilhar mais uma vez. Pelé, após receber passe de Nilton Santos, marcava um dos gols mais bonitos da história das Copas. O craque dominou no peito tirando de um zagueiro, deu um chapéu em outro marcador e, sem deixar a bola cair, finalizou para balançar as redes, 3 a 1.

Aos 23, o lendário Mario Zagallo fez questão de garantir que o Brasil conquistaria o título ao marcar o quarto gol para a seleção. Faltando dez minutos para o fim, Agne Simonsson descontou, mas antes do apito final Pelé deixou a marca mais uma vez. Final 5 a 2. Este seria o primeiro título da Copa do Mundo na história da seleção brasileira, que mais tarde se tornaria a equipe com mais conquistas na competição.

Uma conquista histórica, marcada por grandes craques e o surgimento de uma das grandes estrelas do futebol, considerada por muitos como o Rei do esporte mais famoso do planeta.

Na KTO você também pode fazer história na Copa do Mundo

Se animou com a seleção brasileira na Copa do Mundo de 2022? Não tem como não se arrepiar com essa história cheia de lendas do futebol, certo? Mas voltando para os tempos atuais, a gente quer te lembrar que você pode se tornar uma lenda das apostas. Então não perca tempo, registre-se na KTO e já comece a se planejar para a competição de futebol mais famosa do planeta.

Texto por Lucas Perillo. Tudo sobre esporte me atrai, talvez seja por isso que minha aula favorita na escola era educação física. Atleta frustrado, me dediquei ao jornalismo, pois já que não podia ser um profissional praticando esporte, decidi ser um profissional cobrindo esporte. 

A gente quer te lembrar de uma coisa importante: a KTO é um lugar para quem tem mais de 18 anos se entreter e aproveitar momentos de descontração e alegria. Se você ainda é menor, ou se o jogo não está tão divertido assim no momento, deixe para voltar mais tarde.

ÚLTIMOS ARTIGOS