3.4 C
Nova Iorque

Érika Souza apostas! Como palpitar na melhor jogadora da atualidade

Érika Souza apostas: quando o assunto é basquetebol nacional, um dos primeiros nomes que surgem na atualidade é o de Érika Souza. Com passagens vitoriosas em sua carreira, é uma atleta experiente e líder no grupo da Seleção Brasileira. Confira como apostar na atleta.

Vamos mostrar também um pouco mais sobre o seu início no esporte e detalhar suas principais conquistas coletivas e individuais. Tudo isso vai ajudá-lo a começar a investir na categoria feminina do basquete e ter um panorama completo sobre a pivô.

Início no esporte

Érika nasceu na cidade do Rio de Janeiro, em 9 de março de 1982. Hoje é considerada uma das melhores pivôs da história do basquete nacional. Porém, para saber como a atleta conseguiu conquistar esse posto, precisamos ir um pouco mais fundo sobre suas raízes.

Ainda no bairro de Campo Grande, o primeiro contato com o basquete surgiu com um projeto da Vila Olímpica da Mangueira. A ação tem o intuito de atuar como projeto social e, além disso, passou a revelar talentos para o esporte.

Mesmo sem noções sobre o basquete, aos 16 anos, teve sua primeira oportunidade dentro do projeto. Érika Cristina de Souza saía de sua casa e enfrentava mais de uma hora e meia de trajeto para realizar os treinamentos e passou a atuar no time principal em pouco tempo.

Se desenvolveu e rumou ao BCN Osasco. O lugar foi um trampolim para que Érika chegasse ao seu maior desafio: era 2002 e com apenas apenas 19 anos, estava na WNBA. Por lá, começou a absorver ainda mais experiência, ao ter contato direto com Lisa Leslie.

Lisa era uma das principais pivôs estadunidenses e atuava pelo time de Los Angeles, o mesmo de Érika. A pivô brasileira sempre se destacou por sua força física e sua altura, que é de 1,97 m. 

Além da atleta estadunidense, a pivô brasileira tinha como espelho uma ex-jogadora importante na história do basquete brasileiro. Falamos da também pivô Alessandra, uma das jogadoras que conquistou o Mundial com a Seleção Brasileira em 1994.

Inclusive, o contato de Érika Souza com a “Amarelinha” foi ainda em 2003. Naquele ano ela teve a oportunidade de integrar o elenco vice-campeão do Mundial Sub-21, realizado na Croácia.

Depois disso, esteve presente nas Olimpíadas de Atenas, em 2004, de Londres, em 2012, e do Rio de Janeiro, em 2016.

Títulos coletivos e individuais conquistados por Érika Souza

Logo em seu primeiro ano com o uniforme do Los Angeles Sparks, Érika integrou o elenco campeão da temporada nacional de 2002. Mesmo sem atuar, aprendia cada um dos passos para poder assumir a titularidade quando fosse necessário.

Depois de sua estreia, teve oportunidades no Connecticut Sun, em que atuou por apenas uma temporada e chegou, na sequência, ao Atlanta Dream. Por lá, assumiu o posto de titular e ficou por oito temporadas, a brasileira, então, partiu para o Chicago Sky.

Pelo time de Connecticut, o Sun, Érika Souza não chegou a conquistar o título da WNBA, mas foi o lugar onde teve destaque, já com a oportunidade de atuar com mais regularidade, foi vice-campeã por três vezes.

Ao todo, além do título coletivo, ainda em 2002, a jogadora teve a oportunidade, na WNBA, de ser eleita uma das jogadoras do All-Star Game por três oportunidades.

Com a Seleção Brasileira, além de disputar três edições dos Jogos Olímpicos, Érika foi uma das grandes responsáveis pela conquista dos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, em 2019. A vitória veio contra os EUA, após 28 anos sem conquistar o ouro.

basquete
Crédito: Unsplash

Outro campeonato em que se destacou foi na Copa América de Basquete, que faturou por três vezes. Além disso, foi eleita MVP (troféu de jogadora mais valiosa), da edição de 2011.

Não podemos deixar de mencionar sua passagem vitoriosa pelo basquete europeu. Por lá, foi oito vezes campeã espanhola, além de campeã da Euroliga de basquete feminino, que é considerada a maior competição europeia.

Vale lembrar que as temporadas de basquete são mais curtas, por isso, em um mesmo ano, as atletas podem atuar por mais de um campeonato nacional.

Referência entre as pivôs

Mesmo reconhecendo que teve dificuldades para se adaptar ao esporte, pivô tem hoje um papel muito importante, que é o de abrir espaço para novas atletas na posição. Se em seus tempos de categorias de base tinha dificuldades, hoje esbanja experiência.

E é justamente este ponto que a coloca como uma das maiores atletas dessa geração do basquete feminino brasileiro. Com um estilo de jogo de muita força física, aos poucos ganhou em técnica e isso a colocou em um novo patamar.

Volta aos times do Brasil

Sua primeira experiência de retorno, mesmo se mantendo na WNBA, foi em 2013, quando também conquistou títulos. No caso, quando vestiu a camisa do Sport Club do Recife, Érika foi uma das líderes do grupo que conquistou o título da Liga de Basquete Feminino (LBF).

Além disso, individualmente, levou para casa o troféu de maior reboteira da edição, em um elenco que contava com uma de suas inspirações, Alessandra. Além dela, Adrianinha era a responsável pela armação do time que foi campeão de maneira invicta.

Atualmente, a jogadora disputa novamente a LBF, mas agora com as cores do Ituano Basquete. A pivô chegou em maio no clube do interior paulista e assumiu o desafio de liderar a equipe na nova temporada, que já está em andamento.

Por isso, se você tem o interesse em apostar no esporte da bola laranja, nada melhor do que observar ainda mais de perto o talento e experiência desta jogadora, que é a maior referência da modalidade na atualidade.

A gente quer te lembrar de uma coisa importante: a KTO é um lugar para quem tem mais de 18 anos se entreter e aproveitar momentos de descontração e alegria. Se você ainda é menor, ou se o jogo não está tão divertido assim no momento, deixe para voltar mais tarde.

ÚLTIMOS ARTIGOS